Como minerar criptomoedas? Veja dicas e descubra se vale a pena

A mineração de criptomoedas requer atenção em vários pontos, desde o hardware utilizado até aspectos como a moeda a ser escolhida, por exemplo. Placas de vídeo como a RTX 3090, da Nvidia, e a RX 6900 XT, da AMD, são os modelos ideais para quem quer alcançar alta lucratividade no negócio – mas, considerando esses modelos, os custos podem ser bastante elevados. Por isso, também é importante fazer as contas e ver se realmente vale a pena entrar nesse mercado. O TechTudo montou uma série de dicas para ajudar você a entender como funciona esse processo e avaliar se vale a pena ou não.

Desktop brasileiro traz chip AMD premium e placa de vídeo RX 6800XT

Processador e placa-mãe

Se em um PC de uso comum o processador pode ser um diferencial de desempenho, em uma máquina de mineração a CPU desempenha um papel auxiliar. Mesmo os produtos de entrada podem ser usados ​​em uma máquina de mineração, já que o trabalho pesado realmente leva a placa de vídeo. Ainda existem chips com GPUs integrados, mas eles não tendem a oferecer um desempenho adequado para mineração.
A placa-mãe tem uma relevância maior. Afinal, você pode comprar um produto que suporte várias GPUs, o que dará um ganho substancial em seu hashrate (velocidade na qual sua máquina pode processar dados). Os mineiros tendem a preferir modelos com dois, três ou até quatro slots PCIe para usar mais de uma placa de vídeo.

Como minerar criptomoedas? Veja dicas e descubra se vale a pena

Encontrando a GPU ideal

A menos que você tenha uma placa de alto desempenho que não usa em casa, ou mesmo que pretenda transformar o PC de um jogador em uma máquina de mineração, investir em uma nova GPU capaz de fornecer bom desempenho em cálculos de hash exigirá um grande investimento . Isso acontece principalmente para quem pretende usar apenas uma GPU – afinal, para que o processo seja lucrativo dessa forma, o produto deve ter um nível de desempenho muito alto.

As placas gráficas que oferecem o melhor desempenho para mineração são a RTX 3090 e a RTX 3080, da Nvidia, com um hashr em torno de 90 pontos. Os modelos foram lançados há pouco tempo e ainda têm um custo alto por aqui. Alguns modelos do RTX 3080 são oferecidos por cerca de R $ 18.000, enquanto o RTX 3090 tem poucas versões disponíveis, com preços iniciais em torno de R $ 25.000.
Radeon VII e RX 6900 XT da AMD também parecem bem, com 83 e 64 pontos, respectivamente. Enquanto a Radeon VII não é tão facilmente encontrada no mercado brasileiro, a RX 6900 XT tem um custo em torno de R $ 15 mil.

Placas intermediárias como RX 580 e GTX 166, por exemplo, têm um hashrate em torno de 30 pontos, o que pode tornar a mineração menos vantajosa, pois o consumo de energia será muito alto – e o retorno, baixo.

Mesmo para quem pretende investir em novos conselhos, o alto custo pode fazer esse retorno financeiro demorar. Afinal, mesmo as placas intermediárias têm valores muito altos hoje em dia.

Em qual criptomoeda começar?

Para quem quer começar a mineração, é interessante pensar em criptomoedas que oferecem a possibilidade de retornos mais rápidos. O Bitcoin, por exemplo, não é tão viável, pois requer um poder de processamento muito alto.

Entre as opções mais interessantes para iniciantes, vale destacar as criptomoedas Ether, ZCash e Monero, que, embora não ofereçam a mesma rentabilidade que os Bitcoins, permitem o uso de máquinas mais modestas para a mineração.

Como minerar criptomoedas? Veja dicas e descubra se vale a pena

Mineração em notebooks

Para um bom desempenho de mineração, o hardware precisa ser levado ao extremo por um longo período de tempo, o que pode não ser um cenário ideal quando se pensa em notebooks. Um laptop precisa ter um clock adequado de acordo com sua solução térmica – enquanto sua fonte tende a oferecer uma quantidade muito menor de energia em comparação com desktops.

O mesmo chip GTX 1060, por exemplo, tende a minerar menos em um notebook, pois sua temperatura máxima de operação deve ser atingida muito rapidamente, levando a uma redução do desempenho para baixar a temperatura. Além disso, a fonte de alimentação do notebook pode não fornecer toda a demanda de energia para um bom desempenho de mineração, o que torna o processo não lucrativo.

Por que as fazendas de mineração fazem mais sentido?

As fazendas de mineração empacotam um grande número de placas e GPUs, o que torna o ganho escalonável. Enquanto um PC doméstico, na melhor das hipóteses, pode ter um hashrate de cerca de 90, uma fazenda de mineração tem máquinas que sozinhas podem chegar a 400 pontos.

Além disso, as fazendas de mineração geralmente são instaladas em locais onde as tarifas de eletricidade são mais baixas, o que impacta diretamente a produtividade. Com um investimento muito alto, mas alcançando taxas de mineração impressionantes, esses sites ainda fazem sentido para quem investiu no hardware necessário em um cenário onde os preços eram mais acessíveis.

Vale a pena?

Possivelmente, com apenas um PC doméstico na mina, os ganhos obtidos podem não ser suficientes nem mesmo para custear a operação do equipamento. Além disso, investir no hardware necessário hoje vai gerar um custo muito alto, o que compromete seriamente a lucratividade da mineração no curto e médio prazo.

Mesmo para quem tem placas de vídeo de alto desempenho ociosas, provavelmente é mais interessante pensar em vendê-las, dada a alta demanda por esse tipo de componente. Isso porque começar na mineração exigirá muita energia e tempo para poucos ganhos substanciais.

Como minerar criptomoedas? Veja dicas e descubra se vale a pena

Leave a Reply

Your email address will not be published.